Videos do Palavras Impossíveis

Loading...

Pesquisar este blog

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

PAIXÃO: o pretérito imperfeito da minha vida


Sim.


Já sou alfabetizada e mais do que ninguém sei que a palavra “paixão” não corresponde a um verbo para poder ser conjugado no pretérito imperfeito. É um substantivo dito como abstrato e para mim, de fato, é! Mais do que isto: é o pretérito imperfeito da minha vida! Causa de conflitos internos, de reflexões acerca do que sinto, de levar à risca o que meu amigo Sócrates disse uma vez, talvez acabando de viver uma paixão, “Conhece-te a ti mesmo”; causa que me rende bons textos.
Estou vivendo mais uma paixão!


E sinto que, mais uma vez, ela não será PERFEITA, embora os acontecimentos estejam me provando o contrário. Planejar algo que nunca poderá ser vivido intensamente não é uma boa forma de viver a vida...

Ando percebendo que o CARPE DIEM não é o meu lema de vida.
Eu não vivo intensamente!

Eu espero sempre um amanhã. Penso que dá pra agüentar mais algumas horinhas e esperar ele me ligar, me chamar de “gatinha”, dizer que sente minha falta, que quer sair logo dali e me levar junto, que não vê a hora de beijar minha boca...

Penso que devem existir pessoas que vivem o que prega o CARPE DIEM...
DE VEZ EM QUANDO, claro!

Ninguém consegue realmente ser pleno em tudo o que faz, senão não existiriam famílias, empregos, vida social. A vida é feita nos seus pormenores, no momento exato em que se erra, quando não se é pleno. A vida existe e perdura no seu pretérito, que é sempre imperfeito. Nunca concluído.

Discordo quando se conjetura a existência do pretérito PERFEITO.
Pra mim, não!

Na minha vida tudo não passou de um projeto não-finalizado, interrompido por algo ou alguém que, da mesma forma, é/está inacabado... E quão difícil tem sido encarar esta realidade!

Lembro-me de quando precisei tomar meu rumo depois que acabou o período escolar... Sofri demais! E, um amigo meu, em confidência, revelou-me que a vida é isto mesmo: um emaranhado de experiências que se intercalam ora entre si ora pelo mundo exterior a nós, porém (e sempre tem o PORÉM!) não vive em si mesma o tempo todo. É necessário que se viva outras coisas e que se guarde o que de bom ficou delas.

Mas, o que fazer com essa minha paixão?
O que fazer com toda esta loucura?
Quanto vale um devaneio?



Quanto vale um devaneio?

Se é que é devaneio!!!


Não sei suportar o que é viver algo que nunca está acabado e que nunca irá ter fim!


Não dá pra suportar vê-lo indo embora quando ainda não respondeu o que sente por mim... De verdade!



Não dá pra agüentar olhar pra ele e não poder dizer que adoro quando ele inventa aqueles truques que deixa todo mundo rindo...


Não dá pra ficar feliz quando ele me diz “Então, gatinha, dorme bem e até amanhã!”, quando o que eu queria era passar a noite toda com ele, nem que fosse só ouvindo a sua voz...


Não dá pra ficar de frente pra ele e ter que pôr em prática o tal do domínio próprio quando minha vontade era de agarrá-lo e dizer que sinto falta quando o mundo só parece abrigar nós dois na imensidão dos nossos desejos impulsivos e sufocantes, na imensidão dos meus olhos quando encontra os dele, sem jeito...


Não dá pra saber da vida dele e não poder participar nem contribuir em nada...


É difícil manter a compostura, manter-me sempre séria quando o que meu desejo mais pede é a companhia de seu sorriso...


É de morrer ficar esperando ele chegar com aquele cheiro que parece que ele preparou especialmente em minha homenagem e ter de me contentar em dizer apenas “... E você, cheiroso!!!”


É duro ouvir as palavras que ele me profere quando quer me advertir que é melhor que façamos isto ou aquilo quando me dá vontade de jogar tudo pro ar e dizer “Sabe de uma coisa? Que o mundo se dane!!!” E como diz a música de Exaltasamba “Eu não quero nem saber... Quero amar você!!!”


É de doer na alma a simples ideia de que ele pode, um dia, ir embora e nunca mais voltar alegando que já deu... Que assim é melhor pra nós dois! Que foi bom enquanto durou e que eu preciso seguir a minha vida...
Seguir minha vida mais uma vez...



***


E assim o pretérito da minha vida continuaria IMPERFEITO! Sem previsão para término, preso ao passado... A eterna dúvida que compete às reticências, que se solidifica nas desinências modo-temporais dos verbos do pretérito imperfeito e que coloca a minha vida de volta à estaca 0. Do mesmo ponto onde outrora fora a largada.

As paixões devem constituir numa espécie de treino. Devem ter como objetivo identificar até onde o ser consegue se equilibrar e até que ponto não consegue mais...

Que elas digam em que pé estou e que me preparem pro imperfeito que sempre me aguarda!



E, já que nada é PERFEITO...
Que eu viva a imperfeição de sentimentos tão perfeitos, mestre do divino compasso das orquestras!!!

Minhas e outras histórias. By Tali Mota.


4 comentários:

  1. Ameei esse texto...Muiito boom!!
    Afinal,qual é o texto ruim??Todos são perfect.
    Mas esse foi demais!!


    By:Raissa

    ResponderExcluir
  2. Caramba.... Eh tanta coisa que se passa na minha cabeça que eu não consigo nem resumir em um comentário... Pura verdade!!! Eu admiro cada frase que vc escreve, o modo como vc escreve e como vc expressa os seus sentimentos e sabedoria de uma forma tão deslumbrante.

    Há tempos não lia textos tão vidrantes e bem escritos...

    Meus parabéns minha linda!!!
    Admiro bastante vc... Eh importante que saibas disso.

    "E, já que nada é PERFEITO...
    Que eu viva a imperfeição de sentimentos tão perfeitos, mestre do divino compasso das orquestras!!!" Que eh que eh isso pow?!! Machado de Assis tem que ler coisas assim... :p

    Perfeito, perfeito... Realmente sem palavras.

    Otavio Alcantara.

    ResponderExcluir
  3. Deeveria elogiar sem parar seu talento pra escrever e montar o texto, mas acho que não será necessário, o carinha aqui de cima disse tudo: perfeição.
    Paabéns pelos textos e pelo blog ;)
    Beeijo e vou ficar aqui te acompanhando;*

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus,essa paixão(como todas)imperfeita, te traz tanta inspiração que não dá para saber quem é mais agraciado:ele, por ser alvo de tão intenso sentimento, ou você, por ganhar emoção de tal forma, que expressa, por demais, uma profundidade poucas vezes tão latente, nos poetas.
    É maravilhoso perceber que não se tem vontade de parar de ler tuas palavras,continue amando assim!
    Passe no meu blog, eu te convido a sermos amigas. Mas não vale não comentar!Um abração!
    www.rosigilc.blogspot.com.br

    ResponderExcluir